Sexta-feira, 16.04.10

A milionésima coisa que vai salvar o jornalismo - e desta é que é

Já há mais uma coisa que vai reinventar o jornalismo, e desta é que é mesmo a sério. Falo do iPad, da Apple, que muitos parecem acreditar ser o primeiro tablet a aparecer no mercado. Com ele, o jornalismo vai conhecer uma nova era e a qualidade vai voltar. Abençoada Apple! Quem me caia já um raio se isto não for verdade! Agora, é que o jornalismo está salvo; basta encostarmos-nos na cadeira e deixar a revolução seguir o seu rumo. Com um dispositivo com tantas restrições, só pode resultar.

A sério, isto às vezes irrita. Aparece uma merda de um gadget  qualquer, todo fashion, ou uma ferramenta web com marketing bem montado à sua volta e os jornalistas começam logo a salivar e a teorizar sobre as imensas formas que aquilo vai ter para salvar a sua profissão. E, no entanto, como outsider, parece-me que o jornalismo continua na rua da amargura.

Twitter, Facebook, iPhone, iPad. Que melhorias significativas é que isto trouxe à profissão? Podem tirar uma foto com o iPhone? Grande coisa, também o podem fazer com um telemóvel de €200 e até a podem colocar online com a mesma facilidade. Eu consigo fazer isso com o meu Nokia 6630, que já tem uns bons anos.

Twitter? E Friendfeed, Statusnet e outros do género? Há aí tantas redes sociais onde é possível fazer chegar a informação de forma bastante rápida. Porquê esta restrição ao Twitter? Parece-me que quantas mais forem as formas de fazer chegar a informação ao público, melhor.

Fazem-se tantas odes a tudo o que é ferramenta da moda e eu vejo constantemente notícias com partes da informação estranhamente esquecidas, ou colocadas no ângulo que mais convém a alguém. Vejo cada vez mais jornalistas desempregados e interesses financeiros a sobrepor-se à informação. É para isto que perdem tanto tempo?

Como sou outsider, a minha opinião pode ter bastantes incorrecções. Ainda assim, não consigo ver grandes resultados práticos de todas as dissertações sobre cada hype novo e que aparece e é apanhado pelos jornalistas.

publicado por brunomiguel às 17:03 | link do post | comentar
Quarta-feira, 14.04.10

E depois admiram-se que eu reclame tanto do jornalismo português sobre tecnologia

I

mashable

A primeira imagem é do I (link); a segunda é do Mashable (link). Conseguem encontrar diferenças, para além do idioma? Cliquem nas imagens para as verem em tamanho real e digam-me se encontram alguma.

Neste momento, estou desempregado. Se a direcção do I quiser, eu não me importo de receber tanto como a jornalista que "escreveu" este artigo e dar-lhe alguma originalidade (para além da imagem escolhida) e a todos os futuros artigos que escrever. E só peço um contrato de 12 meses. Claro que, se incluírem residência paga, eu não irei reclamar.

dica do João Silas

publicado por brunomiguel às 19:20 | link do post | comentar | ver comentários (17)
Quinta-feira, 07.05.09

TI, informação, media, Portugal = FAIL

Detesto constatar que o jornalismo nacional ligado às novas tecnologias é, no geral, tão mau que até eu podia fazer melhor. Isto custa-me, apesar de não ser jornalista nem ter formação na área da comunicação social, porque eu estou desempregado e eles estão a receber dinheiro por um trabalho que costuma ser mais que fraco e pobre.

 

Em vez de informação sobre novas tecnologias, muitas vezes gramamos com press-releases escarrapachados como se fossem artigos, e artigos que não passam de autêntica publicidade ou promoção de interesses. É por isto que raramente dou atenção ou valor à imprensa nacional que trata destes assuntos. Prefiro ler a informação em blogs nacionais e internacionais, que lê-la ou ouvi-la num qualquer media português. É demasiado mau e torturante fazê-lo. Estou farto que me tentem impingir publicidade a um produto mascarada de informação, ou que me tentem convencer que determinado texto não é uma promoção de interesses de um grupo mas sim informação imparcial.

 

Aposto que, como eu, estão mais pessoas desempregadas, várias delas jornalistas (eu até conheço uma que o faria bem melhor que muito boa gente que escreve sobre tecnologias de informação), que eram capazes de fazer melhor que aquilo que é feito actualmente. Hoje, não consigo apontar um jornal, revista ou outro media, que contenha informação digna de destaque sobre tecnologias de informação. No geral, é tudo demasiado mau.

Domingo, 05.04.09

DN: um longo caminho a percorrer online

O Diário de Notícias (DN) pode ter mudado a cara do site, mas... Já não bastava o aspecto "atafulhado" do mesmo, ainda presenteiam os seus visitantes com três pérolas que nem ao diabo lembram.

Passo a explicar o que me leva a escrever isto.

Quero ver, no próprio site, a edição impressa do jornal e sou presenteado apenas com a capa. Onde está a possibilidade de ver os conteúdos dessa edição, como é possível fazer no PÚBLICO? Custaria assim tanto implementar um sistema semelhante ou querem pautar-se pela diferença (pela negativa)!?

Isto ainda fica pior. No preciso momento em que escrevo este post, 00:23 do dia 5 de Abril de 2009, ainda têm a capa do dia 3 do mesmo mês. Bem, aqui podem ter desculpa. Talvez não tenham ninguém para trabalhar durante o fim-de-semana; com a crise que se sente no ar, não deve ser fácil ter 2 ou 3 pessoas a tratarem disto durante o sábado e o domingo.

Se acham que isto fica por aqui, esperem; deixem-se ficar sentados e desfrutem da maior de todas as pérolas. No cartoon Dilbert a imagem é tão pequena que o texto é ilegível. Porque raio quero eu ver um cartoon com as dimensões da imagem tão pequenas que não me permitem ler os diálogos? Já que estão numa de diminuir, podiam ter a imagem ainda mais pequena não vá alguém com visão de águia conseguir ler o que lá está escrito. Isso seria o descalabro, ler os diálogos do Dilbert.

Impossibilidade de ver a edição impressa online; capa da edição impressa desactualizada; cartoon em dimensões microscópicas. Ah, não nos esqueçamos do aspecto "atafulhado" e meio tosco do site. Pergunto: a malta do DN saberá o que anda a fazer?

publicado por brunomiguel às 00:31 | link do post | comentar | ver comentários (2)
Quarta-feira, 03.09.08

A telenovela das 20h

O Daniel Oliveira, do Arrastão.org, faz uma excelente posição dos media, do actual estado do jornalismo, do poder que a televisão tem sobre nós e sobre o próprio jornalismo e da forma como ela é influenciada, dando como um dos exemplos a recente histeria em relação à criminalidade. É um post longo com direito a vídeo, mas uma leitura interessantíssima.

publicado por brunomiguel às 04:15 | link do post | comentar

do not feed the trolls

Outros blogs meus

pesquisar neste blog

 

posts recentes

arquivos

links