Terça-feira, 20.04.10

Uma nova forma de receber e gerir informação

Tempo livre permite-nos avaliar situações e prioridades que, de outra forma, não faríamos ou faríamos muito mais tarde e de forma mais lenta. Como temos mais tempo, podemos ponderar mais calmamente, pesar bem prós e contras, esquecer o assunto durante um dia ou dois para depois lhe voltar a pegar e ter uma perspectiva melhorada, e aplicar na totalidade - ou quase totalidade - o que é decidido.

Bem, eu tenho andado a ponderar a forma como, mais que interagir, uso as redes sociais. Agora, quero usá-las mais para receber informação que me interesse e não para saber o que alguém está a jantar (embora isto também seja informação, não é o que procuro). E, acima de tudo, quero informação com qualidade.

Esta mudança passa por me centrar mais no Friendfeed. Nesta rede social é mais fácil separar a informação do que no Twitter, por exemplo. Também, gera menos ruído e permite aquilo que eu considero ser um melhor e mais organizado debate de ideias.

O facto de poder criar uma lista, poder adicionar lá contactos e escolher não mostrar as actualizações deles na página inicial, é muito bom. Assim, posso ter contactos que geram informação que por vezes me interessa ou que me interessa sempre mas não muito sem que eles entrem em conflito com a que de facto me interessa e acabem por gerar ruído.

O visual do site também ajuda. Os temas padrão do Friendfeed são relativamente agradáveis - gosto especialmente do Helvetica - só que não são nada que me faça sentir tão atraído pelo serviço. Isso, felizmente, muda-se, escolhendo o tema Fresh e instalando o estilo Cleaner FriendFeed Widescreen para a extensão Stylish, que está disponível para Firefox e respectivos clones.

Isto, juntamente com uma melhor selecção de contactos, faz com que o Friendfeed se vá tornar o meu meio principal para gerir e chegar à informação.

publicado por brunomiguel às 21:38 | link do post | comentar
Segunda-feira, 19.04.10

Reflexões sobre o hoax da erupção do Hekla

Hoje, por volta das 17h, chegou-me o rumor, via redes sociais, de que um outro vulcão da Islândia, o Hekla, estaria a entrar em erupção. A mensagem vinha acompanhada com uma link para um alegado stream em directo deste evento natural, que de facto mostrava imagens. Minutos depois, descobriu-se que na verdade se tratava de um hoax.

Como a informação me chegou através de algumas fontes que considero fiáveis - bem mais que qualquer jornal ou outro media -, assumi que era verdade. Afinal, não era e acabei por fazer eco de uma informação errada e que serviu apenas para criar alarmismo em relação a uma suposta nova ou alargada restrição de voos em espaço europeu.

A actual limitação de voos ainda não terminou, mas os ministros dos Transportes da União Europeia reuniram-se esta tarde e acordaram a reabertura gradual do espaço aéreo europeu. O objectivo é «introduzir mais flexibilidade», disse fonte diplomática à AFP. Esta reabertura passa pelo levantamento progressivo de algumas rotas de voo, com as zonas mais próximas do Eyjafjalla e do seu "irmão grande", o Hekla, a continuarem com as restrições impostas.

O problema da internet, e uma das suas maiores virtudes, é a velocidade com que a informação chega às pessoas. Em minutos, este falso boato espalhou-se como pólvora. Felizmente, nenhum media pegou na informação sem a verificar e difundiu-a - pelo menos, não tenho conhecimento de nenhuma situação dessas.

Tal como eles devem verificar a informação, também eu o devo fazer e por vezes esqueço-me disso; assumo que as minhas fontes o fazem por mim e faço mal.

publicado por brunomiguel às 19:56 | link do post | comentar
Sábado, 06.09.08

Tsunami de feeds

O criador do Instapaper, Marcos Arment, publicou no seu blog pessoal um post sobre a «atenção parcial contínua» (tradução literal de continuous partial attention): aquilo a que estamos sujeitos todos os dias por querermos estar sempre informados das últimas da blogosfera e nos faz subscrever mais de 100 feeds. Sabem, leituras verticais rápidas feitas aos artigos e que nos fazem perder, por vezes, alguma informação bastante interessante e que também nos aumenta os níveis de stress.

No seu post, Marcos Arment partilha algumas dicas que o ajudaram a diminuir a enorme quantidade de informação a que se sujeitava todos os dias. Ele removeu as feeds com um volume diário de actualização muito grande, os blogs sobre blogging, os sites que costumam publicar listas de 10 razões para isto e top10 daquilo, os sites com conteúdos que raramente lhe interessavam e alguns agregadores. Ele também sugere a impressão de artigos longos para facilitar a sua leitura, já que considera que a leitura de artigos extensos num computador não é o ideal.

Ele também aproveita para publicar o Instapaper, com a sugestão de utilização deste serviço para guardar as links que em determinado momento, devido a falta de tempo ou outro motivo, não é possível ler. Eu uso o serviço e tenho que admitir que é bastante útil.

Não sou nenhum ultra feed addict como o Cenourinha, mas também tenho o mau hábito que eles (os feed addicts) têm de fazer leituras verticais rápidas às minhas subscrições, que actualmente rondam as 150. Já tive quase 200, mas entretanto reduzi a lista e que continuar a reduzi-la até pelo menos às 100, seguindo algumas das sugestões do Marcos Arment.

Parte das feeds que conto "mandar à fava" são as dos agregadores que me bombardeiam com entradas novas todos os dias, boa parte delas de sites que tenho subscritos ou sem qualquer interesse para mim. Outras que vão ter com o criador são as que costumam ter tops de qualquer coisa para o Ubuntu, as que só agregam posts com «Ubuntu Linux» no título (estes irritam-me bastante, porque normalmente só têm conteúdo sem qualquer interesse ou ponta por onde se pegue) e as que têm uma frequência de actualização superior a 15 posts diários.

O problema desta limpeza às feeds vai ser a selecção das candidatas a remoção. Algumas são óbvias, como deu para perceber pelo parágrafo anterior, mas a maioria não é. Ainda não sei bem que critérios aplicar para conseguir determinar quais as feeds que farão companhia às óbvias na vala comum das subscrições. Uma coisa é certa: vou tentar ao máximo não remover nenhuma subscrição em português.

As dicas apresentadas por Marcos Arment para diminuir o continuous partial attention serão parte da minha solução para trazer alguma sanidade às minhas subscrições. E vocês, caros leitores e leitoras, que soluções aplicaram ou pensam aplicar para o vosso excesso de informação no vosso leitor de feeds?

Sábado, 28.06.08

UE e EUA quase a criar Big Brother transatlântico

A Europa e os Estados Unidos da América podem estar prestes a finalizar um acordo que irá criar um Big Brother transatlântico. Isto é muito preocupante!
 

The United States and the European Union are near a deal on letting law enforcement and security agencies obtain private information like credit card transactions and travel histories about people on the other side of the Atlantic, The New York Times reported on Saturday.

 

A major unresolved issue is whether residents of EU countries would be able to sue the U.S. government over its handling of their personal data, the Times said. U.S. law does not allow foreigners to sue the U.S. government for damages in such instances, the Times said.


Link: Reuters

 

publicado por brunomiguel às 05:17 | link do post | comentar
Quinta-feira, 29.05.08

Informação, procura-se

Informação, procura-se. Era interessante, tinha conteúdo e valia a pena. Se alguém a viu, por favor contacte os noticiários dos canais generalistas, porque eles estão sem ela e têm que perder alguns minutos a dizer onde os jogadores da selecção mandaram uma mija, onde foram passear e quem soltou o peido na sala de estar do centro de estágio.

publicado por brunomiguel às 13:29 | link do post | comentar

do not feed the trolls

Outros blogs meus

pesquisar neste blog

 

posts recentes

arquivos

links