Só porque sim

Apesar de não gostar muito de quezílias blogosféricas, não posso deixar de registar com desagrado aquilo que me parece ser um mau trabalho feito pela jornalista Ana Rita Guerra no blog Teknológica, do I. Refiro-me em concreto ao post "Sobre o Telecoms Package e o fim da Internet".

O primeiro ponto a registar é a enorme falta de educação e respeito que demonstra nesse post. Logo no segundo parágrafo refere-se a uma leitura, que deixou alguns comentários num post anterior, como "paula teixeira". Se virmos o post a que se refere, facilmente verificamos que a leitora se chama Paula Simões (sem aspas) e não "paula teixeira". Eu próprio cheguei ao tal post em menos de um minuto, por isso duvido que ela precisasse de tanto tempo para verificar o nome e escrevê-lo correctamente.

Talvez seja problema do Firefox, como refere a jornalista logo no primeiro parágrafo. Contudo, eu estou a usar o Icecat, que não é mais que o Firefox com outro nome e sem as trademarks da Mozilla, e consigo ver os comentários, tal como consegui das poucas vezes que visitei o blog. Ora, se eu consigo... Talvez o problema seja de alguma extensão que ela instalou, partindo do princípio que instalou alguma. Mas eu tenho umas quantas instaladas, como o Adblock Plus e o Firebug. Estranho... Bem, talvez devesse ter usado outro browser para verificar o nome correcto da leitora, algo que não lhe custava nada fazer porque o que não falta são browsers - eu próprio poder-lhe-ia indicar uns quantos.

Outro ponto triste a assinalar - mas aqui já é a opinião dela, apesar de a escrever num blog do seu empregador e por isso dever ter um pouco mais de cuidado com o que escreve porque a imagem de quem passa os cheques também pode ficar em causa - é a postura que toma em relação a uma possível aplicação da "3-strikes law" em Portugal. Para a jornalista, mesmo que esta medida "seja aplicável em Portugal, em termos práticos isto significa zero mudanças. Porque se um processo de pirataria/contrafacção/violação de copyright demora entre 4 a 5 anos a ser julgado, imagine-se o tempo que levaria algo tão difícil de provar como a ilegalidade de tráfego P2P, os avisos do ISP, a decisão do tribunal, o recurso provável e finalmente a ordem para que o acesso à Internet seja cortado."

Desculpem, mas mesmo que a justiça seja lenta (e todos nós sabemos que ela perderia uma corrida contra uma lesma com 60% de invalidez), não é desculpa para aceitarmos uma medida deste tipo, a mesma que ainda ontem foi considerada inconstitucional em França. Se ninguém, tanto quanto sei, pode andar a ver livremente o meu correio sem ter uma autorização judicial, porque raio vão poder andar a meter o nariz à balda nos meus dados? Ainda por cima, tornando-me culpado até prova em contrário.

Não, Ana Rita, a lentidão da justiça não é motivo para nos estarmos a marimbar para isto. Nós devemos é lutar contra este tipo de medidas. E um pouco de respeito para com os teus leitores também não te ficava nada mal. Não te esqueças que não é só a tua imagem que pode ficar manchada, é também a de quem te paga o salário.

tags:
publicado por brunomiguel às 15:38 | link do post