Twitter, essa bela plataforma de exibicionismo

Depois de ter lido o post do Pedro Cavaco sobre a possível bolha do Twitter - e dos outros serviços de microblogging, porque existem outros para além deste -, decidi deixar aqui algo em que andei a pensar ontem e que, inclusive, cheguei a mencionar a uma amiga da Qi, a Ana Coelho, embora num contexto diferente.

Fala-se tanto do microblogging, dando normalmente o Twitter como exemplo, como forma de comunicação e divulgação de informação. Dão-se palestras, seminários, escrevem-se livros... Faz-se uma série de coisas sobre isto, mas a grande utilização que eu vejo dar ao Twitter é como plataforma de exibicionismo. Sim, também serve para partilhar conhecimento, divulgar informação, até chega a servir de agenda; mas o facto é que a minha observação deste fenómeno me diz que a utilização mais comum às pessoas que observei - não só e não necessariamente os contactos que tenho neste serviço, mas outros, portugueses ou não - é puramente exibicionista (e eu também o faço): as pessoas querem mostrar-se geeks num determinado campo, fazem eco de algo dito ou escrito por alguém considerado popular (carneiradas), mostram que são uns bacanos porque fizeram aquilo que toda a gente faz por ser moda (carneiradas), gostam de mostrar que têm isto ou aquilo (carneiradas)... a lista continua. E quando este serviço se começar a tonar mais popular, talvez o próximo HI5, isto vai ser tão visível que vai ser impossível negá-lo.

Como já escrevi no parágrafo anterior, eu também uso o microblogging como plataforma exibicionista - também tenho a minha auto-estima e o meu orgulho e gosto de exercitar esses "músculos" de vez em quando. Também o uso para partilhar coisas que vou encontrando por esta net fora e acho que são porreiras para partilhar; costumo usar estes serviços para chamar a atenção para a existência do software livre e para alguns projectos meus ou em que participo. Não sou assim tão diferente dos outros utilizadores deste tipo de serviços, com as seguintes diferenças: eu não tenho problemas em chamar àquilo uma plataforma de exibicionismo, não passo a vida a fazer-me passar por expert numa merda qualquer, estou-me bem a cagar para as carneiradas e não assumo uma identidade virtual diferente da real (aquilo que lêem é um reflexo de mim e não de uma identidade criada para agradar e parecer um porreiro [what you read is what you get]).

Resumindo: como tantas outras formas de comunicação, o microblogging é mais uma com muito potencial, mas que acabou por sucumbir à natureza humana.

Agora, venham de lá essas tochas, balas, facas, espadas, e palamadinhas nas costas. Isto é, venham de lá essas opiniões. Os comentários estão abertos para isso mesmo: receber feedback.

ps: eu não acho que o problema é da plataforma. que isso fique bem claro

publicado por brunomiguel às 14:34 | link do post | comentar