Depois da filmaria, a bonança

Depois da semana passada marcada pelo lado menos positivo da imaginação, esta semana começou com um (já à muito) merecido exercício, relativa boa disposição e uma dor de barriga que me está a obrigar a quase não tocar em comida - o que até nem é assim tão mau, porque eu estou a precisar de perder uns quilos.

Depois de almoço, fui dar um passeio a pé aqui pela zona. Fui nas calmas, aproveitei para ir ver o spot onde uns putos cromos andam a partir nelas, tirei umas fotos (barraco incluído) e depois tive que dar uns sprints para chegar rápido a casa (paranóia minha, ou assim o espero). O curioso é que, apesar de estar com falta de ar (tenho bronquite asmática crónica), consegui correr sem perder o fôlego. Estranho, porque já não faço exercício à uns tempos. Talvez o exercício que faço todos os dias com os dedos ajude a manter um pouco a forma... Ou não...

Este esconderijo muito mal escondido dos putos fez-me lembrar de parte do final da minha adolescência; lembrei-me do tempo em que agarrava no carro (tinha a carta à pouco tempo) e ia "socializar", normalmente sozinho, para uns sítios refundidos - ou como a minha mãe diz: atrás do sol posto. Depois de ter observado a zona para ver se não estava lá nenhum puto, entrei naquela espécie de cabana e a primeira coisa que vi foram pequenos bocados de cartão dos maços de tabaco. Pergunto-me para que quererão eles o cartão... Depois ainda encontrei um filtro que me pareceu relativamente bem feito, mas nada de xito (não, não era com o intuito de lhe ficar com as cenas; apenas faria com que elas servissem para ajudar a fertilizar a terra), o que não é de admirar. Já quando era eu, não confiava assim em ninguém, mesmo que "socializasse" com eles todos os dias.

É só o primeiro dia, mas as perspectivas para o resto da semana parecem boas. Vamos lá ver se isto se mantém pelo menos até domingo.

publicado por brunomiguel às 19:51 | link do post | comentar