Sem flash, sem arrependimentos

Já lá vão pelo menos dois dias - talvez sejam mais; nunca sei a quantas ando - que removi o suporte para Flash no meu sistema e não podia estar mais tranquilo.

Sendo o Flash Player da Adobe software proprietário, tive que usar o Gnash. Se os conteúdos em flash utilizarem a especificação da versão 7, há boas probabilidades do Gnash conseguir mostrar os conteúdos correctamente; mas se necessitarem pelo menos das versões 8 e 9, o mais provável é não mostrar ou mostrar mal. Porque a maioria dos sites com Flash que me interessavam necessitavam de bom suporte para as especificação das versões 8 e 9 do Adobe Flash, removi o Gnash.

Depois de remover o Gnash, instalei o libswfdec. Este tem melhor suporte para as especificações do Adobe Flash que a última versão beta do Gnash, mas consegue "comer-me" boa parte dos recursos. Como não gosto de ver o meu processador ser usado até à exaustão por causa de um simples conteúdo em flash - que muitas vezes nem tem nada de interessante -, também o removi.

Desde que os removi, não tenho tido qualquer tipo de chatices. Quando me cruzo com um vídeo alojado no Youtube que me interessa ver, utilizo o youtube-dl para o descarregar e vejo-o no Totem. O único "inconveniente" disto é ter que copiar a link do vídeo, abrir um terminal e "chamar" o youtube-dl. Mas com isso posso eu bem. Se me cruzar com um conteúdo em flash alojado noutro serviço, não o vejo e não me faz qualquer diferença. O mesmo se aplica às publicidades e widgets em flash, que já não me atormentam.

A remoção do suporte para o Adobe Flash acabou por ser bastante positivo, quer para mim quer para o meu processador. O aviso do IceCat por falta de plugin para este tipo de conteúdos é que podia não aparecer; mas ele não ocupa muito espaço, por isso não incomoda.

publicado por brunomiguel às 03:43 | link do post | comentar