Mais compatível com a internet

compativel com a internetEu sei que o objectivo de uma empresa é fazer dinheiro. Infelizmente, algumas estão mais preocupadas em fazer dinheiro que em comercializar produtos com boa qualidade e/ou úteis. Mas não é por isso que escrevo este post - isso, são conversas para outro dia.

O que me leva a escrever este post são as campanhas de marketing e publicidade ridículas - e quantas vezes enganosas - que tentam enganar o consumidor, apelando à sua ignorância ou simples estupidez. A imagem deste post é, ou parece ser, um exemplo disso.

Apesar de só dar para perceber que são uns "testes" de compatibilidade com a internet, fui pesquisar e penso que está relacionado com o lançamento dos processadores Atom. Pelo menos foi essa informação que encontrei no Techreport.com, onde um destes processadores da Intel a 1.6GHz é comparado pela própria Intel com um ARM11 a 400MHz. Mas mesmo que não haja qualquer relação com a imagem deste post, serve para ilustrar o meu ponto de vista.

Esta comparação, como é óbvio, não pode ser levada muito em conta, tal é a discrepância entre os dois processadores. Claro que isso não impede a Intel de se vangloriar de ter um processador a 1.6GHz mais rápido a fazer render a páginas web que um ARM11 a 400MHz. Só que falta dizer se isto foi testado em sistemas iguais, com velocidades de rede e browsers iguais. Mas como isso é demasiado confuso para os consumidores, omite-se.

Infelizmente, a publicidade e o marketing produzem disto às carradas. Ontem, no programa Reclame, da RTP2, deu um exemplo semelhante: a campanha «Desconto Igual à Idade», da MultiÓpticas, onde o anunciado não correspondia inteiramente à verdade.

Somos todos umas iSheeps, como o Paulo Querido escreveu e bem no seu post acerca da palhaçada em torno do iDictatorphone. Vemos uma publicidade e, depois de reclamar do custo de vida, vamos logo a correr comprar o que vimos, a arfar com a língua de fora.

Sabem de quem é a culpa disto? Nossa!

publicado por brunomiguel às 15:53 | link do post