Primeira beta do Icecat 3.0 e os problemas da instalação do Firefox e clones a partir da source

A primeira beta do IceCat 3.0, a versão GNU do Firefox, foi hoje disponibilizada. Assim que recebi a notificação da mailing list deste projecto, descarreguei o código-fonte e, antes de compilar e instalar o browser, removi a versão 2.0.0.13 deste browser - que tinha compilado e instalado há umas semanas.

Assim que o IceCat 3.0 acabou de instalar, executei-o; e qual não é o meu espanto quando vejo que ainda tinha a versão 2.0.0.13. Porque raio não foi ela removida? Eu corri o make uninstall, por isso devia ter sido removida. Mas não foi, porque a Mozilla não inclui essa opção no Makefile. Por isso, as únicas formas de remover o browser do sistema são: remoção dos ficheiros, um a um; ou criando um pacote, que seria instalado e depois removido, eliminando todos os traços do browser no sistema.

Também poderia alterar o Makefile, mas isso é muita areia para a minha camioneta.

Antes de saber como podia criar um pacote do browser, estive algumas horas a tentar perceber como poderia remover a aplicação e compilei o IceCat várias vezes. No meu computador, é mais de 15 minutos só para cada compilação.

Felizmente, após vários mails trocados na lista de bugs deste projecto, um dos membros, Sean Artman, explicou-me como podia criar um pacote do browser. Bastou uma pequena alteração ao Makefile da directoria browser/installer/, seguido de um ./configure, make e depois um checkinstall para criar o pacote deb.

Nesta minha aventura que durou boa parte da tarde e início da noite, fica a nota positiva para os membros do projecto IceCat, que me ajudaram e já estão a criar um patch para permitir o make uninstall no Firefox; e nota negativa para a Mozilla, por não permitir a remoção do browser com o make uninstall, algo normal em tantas aplicações.

publicado por brunomiguel às 22:18 | link do post