To English or not to English, eis a questão.

Tudo começou com um daqueles tweets parvos que costumo enviar/fazer: «pergunta para a revista maria: se escrever em inglês no Twitter, serei geek?» Isto gerou um curto debate acerca do uso do inglês neste serviço: o Miguel Caetano disse que só recebe respostas de portugueses quando escreve em inglês e quando tweeta em português, apenas os brasileiros lhe responde; o Rui Costa perguntou se devemos responder a alguém na mesma língua que a pergunta foi feita e se o responder noutra língua não será falta de educação. 

Quanto a tweets e blogs em inglês, não tenho nada contra eles, quando há necessidade ou vontade de o fazer. Mas quantas vezes não será isso apenas um acto masturbatório de alguém que gosta de se armar em geek/nerd, o que quer que isso seja hoje me dia? Só quem escreve em inglês é que sabe se o faz porque realmente quer, necessita ou se está armado em campeão.

Porque raio é que alguns portugueses só respondem a tweets em inglês? A isto, parece-me que a resposta é, pelo menos em boa parte das vezes: têm em mania que são bons por escreverem em inglês. Devem achar que isso lhes confere algum tipo de superioridade intelectual e social.

E será mesmo falta de educação responder em português a um português que fez uma pergunta em inglês ou vice-versa? Não! Quanto uma pergunta é feita, interessa uma resposta numa língua que seja comum aos dois, três, quatro ou sejam lá quantos forem os intervenientes. Se a resposta é em inglês, francês ou russo, é indiferente; desde que os todos percebam a língua.

 

Quando comunicamos, seja lá com quantas pessoas forem, devemos utilizar uma língua comum a todos, para que a mensagem chegue a todos os intervenientes e para que ninguém seja ou se sinta excluído. No Twitter, a regra é a mesma, mesmo que tenham alguns contactos americanos, franceses ou chineses: se não estão a comunicar com eles, não são obrigados a usar um idioma que eles compreendam, porque eles não são os destinatários da mensagem.

Novos geeks, por favor, controlem o uso excessivo e desnecessário do inglês. Usem a nossa língua, que é uma autêntica Soraia Chaves. Não lhes dêem palmadinhas do rabo, façam-lhes miminhos e estimem-na. Não a ignorem só porque é mais fixe utilizar inglês.

 

Nota: "comunication", por Guacamole Goalie, disponibilizada sob uma licença Creative Commons 2.0.

publicado por brunomiguel às 17:28 | link do post | comentar