Informação mastigada e digerida, não!

À pouco, a SIC abriu o Jornal da Noite com a notícia de uma bebé que foi agredida por um rotweiller. Na reportagem foi mencionado que o cão é de um tio da bebé, que tem ainda outro macho e uma fêmea da mesma raça. Também falaram do facto dos dois machos nunca estarem ao mesmo tempo soltos e que, sempre que a bebé estava na rua, todos os cães estavam presos. Depois começaram a relembrar vários casos de ataques de cães que ocorreram o ano passado.

Na RTP1, minutos depois, a mesma notícia. Só que neste canal, para além da informação que a SIC deu, contaram que a bebé estava na rua quando o cão estava solto e que só foi atacada quando começou a chorar. Mas o melhor é que não mastigaram a informação por mim.

Não vou fazer juízos de valor sobre a situação. Também não vou criticar os cães, porque, quando bem treinados, estes cães são tão ou mais dóceis que os outros. Mas tenho que mencionar a forma sensacionalista com que a SIC está a apresentar as notícias. É triste que cada vez mais se recorra a isto para apresentar a informação aos cidadãos.

Não tenho formação jornalística, apesar de já ter feito algum trabalho jornalístico. Isto não me dá qualquer estatuto para dizer o que é bom ou mau jornalismo. Mas enquanto cidadão, tenho que mostrar o meu desagrado com as notícias que me são apresentadas, já mastigadas e digeridas. Eu não quero saber a opinião do jornalista, do director de informação ou de qualquer outra pessoa que escreve ou gere a informação; eu quero apenas ter conhecimento dos factos e formar a minha opinião. É assim tão difícil?
tags:
publicado por brunomiguel às 20:30 | link do post | comentar