O dia em que quase morri no local de trabalho

Hoje, no trabalho, fui dar a segunda demão de tinta num ambiente de um rack (um local onde ficam expostos alguns produtos) e ia morrendo da forma mais literal que possam imaginar. A história segue nos parágrafos seguintes.

Como o local a pintar era no topo do rack, agarrei uma escada e encostei-a lá. Antes de subir, certifiquei-me que estava segura, e depois lá fui eu. Assim que estou a chegar ao cimo, o rodapé de madeira onde encostei a escada parte e ela escorrega. Mal me apercebo, tento agarrar-me ao rack, mas já não fui a tempo; escorreguei com a escada, com as pernas a roçar nos degraus, até que eu e a escada viramos para o lado esquerdo. Sorte a minha, consegui entrelaçar as pernas num degrau e dobrar o pescoço (ainda estou para perceber como o fiz), e um cliente segurou-me a escada; se não, na melhor das hipóteses, tinha ficado um traumatismo craniano - mas a probabilidade de morte foi grande, pois caí a boa velocidade.

Os meus colegas ajudaram-me prontamente e, com alguma dificuldade e muitas dores, fui colocar gelo nas pernas. Quinze minutos depois, fui pintar o ambiente, mas desta vez subi por um escadote. Tão depressa não subo escadas lá (leia-se, até terça, porque segunda estou de folga).

Assim que a gerente da loja lá estiver, vou pedir-lhe para me facultar as imagens do meu aparatoso acidente. Quero guardá-las para a posteridade. Não é todos os dias que quase se morre!

tags:
publicado por brunomiguel às 23:52 | link do post | comentar