De um restaurante, com amor

O meu irmão trabalha num restaurante chique aqui da zona. Uma das colegas de trabalho dele é, digamos, um bocadinho lerda da cabeça. Entre muitas coisas, algumas demasiado parvas para colocar aqui, destacam-se os seguintes brilhantismos:

  • «sigurança social»
  • «quando o menino nasceu na mijadoura»
  • «vais ao meu cacifro»
  • «não me desnegues»

Esta é a mesma pessoa que, quando mandada parar por um polícia e este lhe pede os documentos, num dia de chuva, sai da miniatura a que chama carro, contorna o veículo, entra no lugar do pendura, abre o porta-luvas e retira de lá os documentos. Sim, ela saiu do carro para entrar no lugar do pendura, em vez de se esticar e retirar os documentos do porta-luvas. E não, tanto quanto sei, ela não tem nenhum tipo de atraso mental.

tags: ,
brunomiguel às 00:00 | link do post | comentar | favorito